Avançar para o conteúdo principal

"Camões, Martim Branco e Barbaído.

Hoje, apesar do céu bastante nublado e a ameaçar umas pingas, fui mais o Carlos Sales dar umas pedaladas.
Num lamento, o Carlos lá disse que nunca tinha ido à bonita Aldeia de Xisto de Martim Branco.
Claro! Já nem dormia descansado se o não levasse lá!!! eh eh eh!!!
Combinámos juntar-nos pelas 08h30 na Pastelaria "A Ministra" e foi por essa hora que nos encontrámos.
Após o cafézinho da manhã lá rumámos aos trilhos.
Passámos a Piscina Praia, contornámos a barragem da Talagueira e tomámos o rumo do Monte da Barreira, com passagem na Abeceira e Casas do Formigo.
Mais à frente virámos para a Casa do Rouxinol. Ía com ideia de nos divertirmos pela trialeira utilizada pela malta do TT, mas vi logo que hoje estava impossível. A malta tinha lá andado no dia anterior, ou no fim de semana passado e estava tudo revoltado. Descemos pelo trilho normal.
Passada a Ponte de Ferro, junto à Azenha do Santo, subimos ao Palvarinho onde efetuámos a primeira paragem para beber uma coca e comer algo. (hoje não houve bjecas para ninguém . . . aderi temporáriamente à greve da restauração pela redução dos 23% do IVA. eh eh eh!!! )
Depois dum bom momento de conversa, cujo tema foi a caça e o associativismo, voltámos aos trilhos, agora em direção ao Rio Tripeiro e Praia Fluvial do Muro (já foi!!).
Um local sempre aprazível e mais ainda, nesta altura do ano.
Lá molhámos o pézinho na larga travessia do caudal e subimos à Serrasqueira, que ladeámos em direção aos olivais da Bedaneira.
 
Abdicámos do recém alcatroado estradão para a Aldeia de Camões e fomos por trilhos até às Alagoas, onde descemos à néo ponte para subir à aldeia.
Já na cumeada, entrámos num antigo trilho, bastante enlameado, que nos levou até às proximidades do Vale de Ferradas, mas, logo após a travessia da Ribeira do Goulo, voltámos à direita e fomos até ao cruzamento da N.112, com a Estrada de Santa Clara, que vem da Azenha de Cima até ao Padrão.
Cruzámos a N.112 e por estradões, fomos até ao Martim Branco, onde nos entretivemos numa visita mais pormenorizada. Foi catita!!! Btt cultural.
Visita feita e estava na hora do regresso.
Divertimo-nos um pouco numa scção de singles de um dos PR'S locais e descemos à Várzea do Porto do Conde, onde de novo cruzámos o Rio Tripeiro, mas desta vez, pelo pontão.
Passámos pela Várzea Fundeira e seguimos pelo estradão que segue para o Barbaído, aldeia conhecida como o "centro do mundo". Parámos na castiça tasquinha local, não para os braquinhos traçados da última vez, mas sim  para uma nova coca e algo mais sólido. (aqui, ainda estava em greve dos 23% do IVA na restauração)
Saímos da aldeia por uma bonita quelha e entrámos no asfalto para contornarmos a Serra de S. Brás.
Já na reta final, antes do cruzamento com a N.112, entrámos de novo nos trilhos.
Passámos a Ribeira do Vale Santo e contornando a Serra do Lobo, chegámos ao Vale da Zebreira Grande, que antecede a subida ao Juncal do Campo.
Passada a aldeia, cruzámos a M.550 para a Fonte do Ferro seguindo depois pelo Escorregadoiro, Lameiro do Velho e Quinta de Valverde até entrarmos na M.551, que seguimos até virarmos para a Tapada das Figueiras.
Dali à cidade, foi um instantinho.
71 kms, uma manhã divertida e a animada companhia do Carlos Sales, preencheram esta cinzenta, mas muito gozada manhã de pedaladas.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…