quarta-feira, 28 de novembro de 2007

"Passeio pela Planície"

Pensamento:
"Por mais forte, duro e independente que possas ser, sempre haverá um momento em que precisarás de ajuda"
(autor desconhecido)

.o0o.
Manhã fria de inverno e a abordagem às primeiras "lamas" e pequenos cursos de água é já um esboço do que será daqui para a frente os nossos "raides" de btt.
Apenas eu e o Filipe fomos pedalar.
Apesar de ele ter passado pela minha garagem, onde ainda me encontrava, passámos ainda pela Pires Marques, não estivesse por ali alguém para pedalar.
Após as primeiras pedaladas, notei que algo não ía bem com a minha pedaleira, que fazia um barulho anormal, problema esse que eu pensava já ter resolvido e que agora já sei de onde provém.
Face à anomalia, seria aconselhado não ir pedalar, mas não quiz abandonar o Filipe e permitir que fosse pedalar sózinho.
Assim, resolvemos ir dar uma volta pela planície, em locais onde não necessitasse de esforçar o conjunto pedaleiro e dirigímo-nos à Senhora de Mércules, onde entrámos no caminho que vai até às traseiras da E.S.E. e continuámos para o Curral do Prego, que cruzámos para o Monte Brito e Vinha do Marco para entrarmos seguidamente em Escalos de Baixo, onde inicialmente pretendíamos tomar o café matinal, mas acabámos por adiar para a Lousa.
Era nossa intenção parar na União Lousense, mas quando alí chegámos, estava fechado.
Como não quisemos voltar atrás e subir a rua, adiámos mais uma vez, desta vez para a Lardosa.
Saímos da Lousa em direcção às "Casinhas", atravessámos a N.233 e descemos para a Ribeira do Vale do Freixo onde virámos à esquerda para apanharmos o caminho que segue pela cumeada e nos levou até à Lardosa.
Alí parámos no Café "Tá-se Bem" para finalmente saborearmos o cafézinho, dar umas dentadas na barrinha energética e por a conversa em dia.
Sempre em conversa amena e quase sempre como tema principal as bikes, pois este ano de 2007, o Pai Natal já distribuiu e vai ainda distribuir, umas quantas pelos meninos (já crescidinhos) bem comportados, cá do burgo, cujos rabinhos bastante doloridos das HT's, vão agora ser abençoados com umas FS'S, tal não foi o "berreiro" que fizeram durante todo o ano.
Uns já receberam, outros vão receber. "Há coisas fantásticas, não há!!!!!!!"
Quero com isto dizer, que se cuidem os mais distraídos, pois no ano de 2008, nos nossos belos trilhos, vão brilhar uma "catrefada" de FS'S batizadas com nomes esquisitos, tais como Canyon,
Trek, Specialized e até Voodoo. (esta última não pode ir aos passeios nocturnos, que assusta o pessoal)
Até vai meter dó vê-las sujinhas com lama e outras "chiqueirices".
Outras, certamente ficarão "alienadas" em garagens e sotãos a apanhar pó sem qualquer glória, até que cheguem os dias primaverís e solarengos, para brilharem qualquer coisita.
O meu companheiro de hoje, o Filipe, já recebeu a notícia de que vai ser pai, ou melhor vai ser dono de uma flamejante "Canyon", cujo parto, ou melhor encomenda, está previsto(a) chegar nos próximos dias.
Após estes "divagandos", resta-me concluir este post, dizendo apenas que chegámos à cidade pelas 12h45, com 58 kms percorridos num belo e calmo passeio pela planície.
Fiquem bem
Encontramo-nos nos Trilhos de Xisto, no Domingo.
AC

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

"Ladeando o Ocreza"

Pensamento:
"Quando um amigo ri, é a ele que pertence dizer-me o motivo da sua alegria; quando chora, pertence-me a mim descobrir o motivo do seu desgosto."
(autor desconhecido)

.o0o.
Ontem, dia 13, juntei-me aos amigos F.Mike, João Valente e Filipe e fomos ao encontro do belo Rio Ocreza, em busca de trilhos e paisagens que nos preenchessem de forma divertida, a manhã solarenga e pouco fria que este atípico mês de Novembro teima em nos proporcionar.
Rumámos ao Palvarinho, passando pela Tapada das Figueiras e Penedo Gordo, onde descemos pela agora algo técnica descida para a Ponte de Ferro, derivado aos estragos feitos pelos camions de transporte de madeira, para de seguida atacar de forma arfante a algo dolorosa subida para a Capela de S. Lourenço já nas imediações da Aldeia do Palvarinho.
Ali, mais uma vez fomos bater com a nariz na porta do café situado junto ao Complexo Desportivo, pelo que, continuámos em direcção aos extensos eucaliptais a perder de vista e passámos pelo Vale Galedete e Monte Tavares, quase sempre em descida por caminhos pedregosos, até chegarmos ao leito do Rio Ocreza, já junto à ponte da Taberna Seca e que vinhamos ladeando já há alguns kms, lá do alto.
Cruzámos o rio, nesta altura do ano e ao contrário de anos anteriores, ainda se passa de bicla, quase sem molhar o "pézinho"e continuámos até à ponte onde virámos à esquerda para a Taberna Seca, apenas de nome, pois foi alí mesmo que parámos para tomar a bicazinha matinal no Café Belo.
Um pouco de conversa, umas barritas energéticas (???) consumidas e fizémo-nos de novo aos trilhos atravessando a povoação para tomarmos o trilho que segue sempre pela cumeada e de onde se pode observar durante muitos kms, à direita o Rio Ocreza e à esquerda a Ribeira da Líria, proporcionando-nos belas paisagens, até descermos para a foz, onde a Líria mistura as suas águas com as do Ocreza.
Pelo trajecto, vão-se avistando, ora à direita, ora à esquerda, vários lagares, lagaretas e moinhos, em que ambos os cursos são ricos e que entre eles, repartem umas dezenas dessas construções, na sua maioria já em ruínas, que com pena minha, não sejam aproveitadas e partilhadas na vertente turística, nas suas diferentes variantes.
Fala-se muito, faz-se muito pouco.
Há por aqui, ou por acolá uns pequenos esboços, umas pequenas vontades, mas não passa disso.
Bem explorado, seria uma riqueza e certamente uma mais valia para a região em termos de turismo. Enfim!!!
Eu, por ali vou pedalando de vez em quando, com alguns amigos, que comigo partilham estes belos recantos.
Da foz da Líria seguiu-se a longa subida para as Benquerenças, onde fizémos nova paragem para "uma rapidinha". Calma aí!!! Não é nada disso!!! Apenas parámos no Café Antão e aderimos ao spot publicitário da Sagres "vai uma rapidinha" e mamámos uma "bjecazinha" num acto de solidariedade para com a dita empresa, tanto mais que a cartilagem do meu joelho direito, que já vinha sequinho, há algum tempo que vinha clamando pelo precioso líquido.
Já tudo oleadinho e no sítio, foi fácil continuar até Castelo Branco, passando ainda pelo Baixo da Maria, para entramos na cidade pelo portal da Padaria de Montalvão, em direcção às Piscinas.
Chegámos pelas 13h, com 55 kms percorridos por belos trilhos e paisagens de encanto e onde a mim pessoalmente, me toca a alma.
Vemo-nos nos trilhos !!!
Fiquem bem
AC

sábado, 10 de novembro de 2007

"Aventura dos cinco na senda dos pasteis de nata"

Pensamento:
"O talento educa-se na calma, o carácter no tumulto da vida"
(Goethe)



.o0o.

Mais um convite do Roberto e mais uma volta pelos belos Trilhos de Xisto.
Desta vez o grupo foi mais numeroso.
Fomos cinco no total. Eu, Roberto,Fidalgo, Marcelo e João Paulo.
Uma coisa estava já garantida. Diversão!!!
Esta malta não deixa os seus créditos em mãos alheias.
Reunimo-nos frente à Câmara Municipal cá da urbe pelas 08h30 com as bikes já carregadas nas viaturas e nós de boa disposição.
Rumámos a Santo André das Tojeiras e estacionámos junto às Piscinas, local de concentração e onde será dada a partida deste "II Trilhos de Xisto".
Preparámos as bikes e as primeiras pedaladas foram exactamente em sentido contrário ao percurso, ou seja, em direcção ao café mais próximo.
Alí descobrimos uns deliciosos pasteis de nata e não resistimos, atacámo-los com devoção a acompanhar o cafézinho da manhã.
Deixámos ainda 3 pastéis para o regresso.
Já aconchegadinhos e prontos para a aventura, fizémo-nos aos trilhos.
O meu comentário sobre os trilhos em geral e zonas de passagem, vai ser um pouco superficial, por questões óbvias.
O passeio está agendado para o dia 2 de Dezembro e com inscrições limitadas, por questões de logística.
Porém, uma coisa posso eu posso assegurar a quem decidir participar neste passeio!!! Vai ficar "babado" com a beleza que envolve as zonas de passagem e com os trilhos onde vamos pedalar.
Estradões onde a visão se perde no horizonte; Trilhos estreitos, com passagens que nos vão ficar na memória; Single tracks na medida certa, entre muros e hortas, que vão dar um gozo tremendo; Descidas sempre a abrir; subidas cicláveis e uns apontamentos técnicos, aqui e acolá, bem doseados, para mantermos vivo o verdadeiro expírito do btt e não nos deixarmos adormecer; Passagens por inúmeras e algumas pequenas aldeias, onde a construção em xisto ainda prevalece na sua maioria e durante todo o trajecto, deparamos com construções já abandonadas em puro xisto; O belo aglomerado já em estado de degradação, que compõe o antiquíssimo Lagar do Carril, situado no meio de nenhures, onde ainda assim nos mostra a imponência dos seus tempos áureos.
Tive o previlégio de pedalar mais uma vez por estes inebriantes trilhos e no dia 2 de Dezembro lá estarei novamente. Pedalar nestes trilhos não cansa a mente nem o espírito e a parte física é secundária.
Mas avancemos:
Nesta minha segunda ida aos Trilhos de Xisto, foram adicionados ao percurso inicialmente delineado, 2 novos troços; Um single track com início numa das aldeias por onde vamos passar e uma passagem nas faldas da serra da ...?... e cujos trilhos vão deixar o pessoal encantado, com algumas passagens técnicas, mas acessíveis à maioria dos praticantes.
Vale a pena parar lá no alto e perder alguns minutos observando os extensos vales pejados de pequenas aldeias cravadas, ora nos cumes, ou nas encostas abrigadas.
É lindo de ver!!!
Isto, sem esquecer as "Tabornas", um petisco tradicional na nossa gastronomia e degustada pelos lagareiros nos velhos lagares de azeite de que a nossa região ainda é rica e que consta de pão torrado nas brasas da caldeira que aquece a água para a filtragem do azeite puro saído das prensas e barrada com esse mesmo azeite. (purinho da silva!!!)
Uma ideia do Roberto e uma forma bastante válida de utilizar a bike em eventos onde o prazer de pedalar se alia à tradição.
Um à parte..!!!
Neste passeio só não está contemplado a visitinha à Adega do "Ti Manel Ribeiro" na aldeia do...
(porra.. não posso dizer!!!), onde mamámos umas "jeribitas", vulgo geropiga e entre pipos e garrafões estava exposta uma autêntica galeria de quadros de "arte nua e de belo espécime", que o "Ti Manel" orgulhosamente fez honra em nos mostrar.eheheh!!!
Com a alma a fumegar e a coragem aumentada artificialmente, mandámo-nos de forma aguerrida aos kms restantes, onde o Fidalgo ganhou terreno, mantendo uns bem contados 5 ou 6 kms na cabeça do pelotão onde de forma distraída nem reparava nas subidas e só se apercebia das descidas porque começava a ver a pala do capacete.
Nas passagens aquáticas, foi a nossa surpresa, era "práfentex", nem sei se chegava a tocar na água.
Mas depois, algo aconteceu, talvez o efeito tivesse passado, pois na próxima passagem aquática foi vê-lo para tràs e para a frente, sem se decidir se havia de passar a pedalar, ou com a dita no lombo.
Mas depois dumas bocas e dumas "vaias", irritou-se, digo eu, tomou balanço alguns metros atrás e aí vai ele!!! À sua passagem, parecia a Fonte Luminosa em Lisboa, tal o efeito provocado na água.eheheh
Em resumo!!!
Malta divertida; Trilhos divertidos; A Adega do "Ti Manel"; Pasteis de Nata; Batata Frita e umas "bjecas" no final, foram os ingredientes que aliados a uma explêndida manhã de sol, somaram mais um dia que fica registado na minha memória, no meu álbum de boas recordações.
Encontramo-nos nos trilhos!!!
Fiquem bem
AC

1º. Vídeo

2º. Vídeo

terça-feira, 6 de novembro de 2007

"Manhã em Beleza"

Pensamento:
"Acima de tudo, na vida, temos necessidade de alguém que nos obrigue a realizar aquilo de que somos capazes. É este o papel da amizade."
(Emerson)
.o0o.
Hoje fui dar uma volta de btt com o Filipe.
Saímos do local habitual de encontro, pelas 08h10 e resolvemos ir dar umas pedaladas lá para os lados do Freixial e Tinalhas, inventando um pouco, pois não tinhamos um percurso bem definido.
Saímos da cidade pelo portal do frigorífico e no cruzamento para a Pedra da Légua, contunuámos em frente para o Parque de Campismo e Hortas do Ribeiro, até entrarmos em alcatrão na estrada de Caféde, que seguímos até à Ponte da Líria.
Um pouco mais à frente entrámos nos trilhos que nos levaram para a zona de Valverde, continuando até ao Freixial do Campo, sempre em conversa amena e quase sempre relacionada com as bikes, em ritmo calmo e descontraído.
Descemos depois para o Vale, por onde pedalámos até resolvermos subir para Tinalhas, onde parámos para o cafézinho da manhã.
Por alí nos mantivémos algum tempo na conversa, a que se nos juntou o proprietário do café e onde abordámos de forma superficial o horrendo acidente que envolveu o autocarro da autarquia de Castelo Branco.
Foi horrível e todos ficámos transtornados com este acidente, que de uma forma ou de outra, nos tocou profundamente, pois todas as vítimas eram práticamente conhecidas.
Saímos do café e percorremos alguns arruamentos da aldeia, apreciando a traça de algumas construções até chegarmos ao cruzamento com a Escola Primária.
Aí resolvemos seguir o trilho inverso ao que fizemos, aquando do Passeio de Tinalhas, desta vez a descer e que nos divertiu imenso com o excelente single track para a zona da Póvoa de Rio de Moinhos.
Seguimos depois para o recinto da Sra da Encarnação contornando a Póvoa e seguimos por alguns estradões até Caféde, onde entrámos junto ao cemitério local.
Passámos depois pela igreja com rumo à Rabaça, onde parámos para beber àgua na fonte alí existente e apreciar aquela bela paisagem.
Transpusemos depois as passadouras com a bicla às costas, para retomarmos o nosso passeio, desta vez em direcção já a Castelo Branco.
Cruzámos ainda por Sta Apolónia, Pedra da Légua e Fontainhas, entrando na cidade pelas 12h15, com 56 kms percorridos em marcha moderada e constante.
Hoje deu para longas conversas com o Filipe, pedalando lado a lado e tirar umas fotos, sem ter que acelerar depois para acompanhar o grupo.
Foi para mim uma volta de recuperação activa, que veio mesmo a calhar, pois últimamente tenho andado um pouco cansado e ainda tenho que me preparar convenientemente para a mística Tróia - Sagres a realizar em autonomia no dia 15 de Dezembro.
Fiquem bem
AC