segunda-feira, 18 de setembro de 2017

"Serra de Montejunto"

"A Serra de Montejunto é uma serra de Portugal. É o miradouro natural mais alto da Estremadura, elevando-se a 666 m de altitude. Esta estrutura geológica, com 15 km de comprimento e 7 km de largura, é rica em algares, grutas, lagoas residuais, necrópoles e fósseis pré-históricos. Situa-se no norte do distrito de Lisboa, entre os concelhos do Cadaval, a norte, e Alenquer, a sul.
Apenas 65 km a separam de Lisboa, distância que facilmente se percorre utilizando as autoestradas A1, usando a saída de Aveiras de Cima, ou a A8, saídas de Campelos ou de Bombarral, em direção ao Cadaval. Em Montejunto existem as ruínas de dois conventos: um mais antigo dominicano, do século XII, e outro que não chegou a ser concluído.
Os monges do primeiro, aproveitando as condições climáticas da serra, construíram tanques onde recolhiam gelo que depois enviavam para Lisboa. É por este motivo que Montejunto é também conhecida por serra da Neve. Esta indústria perdurou até 1885.A pouca distância das ruínas do convento, ficam as Ermidas da Senhora das Neves, do século XIII e de São João, revestidas de azulejos." A Real Fábrica do Gelo, também referida como Fábrica da Neve da Serra de Montejunto, única no país, é um dos raros exemplares de seu género existentes na Europa e, em termos de tecnologia, à época, uma das mais avançadas.
O hábito de saborear gelados e matar a sede com bebidas frescas nos meses quentes de Verão terá sido introduzido em Portugal em finais do século XVI, à época da Dinastia Filipina.
A convite do Nuno Silva e na companhia do Afonso Lourenço, fomos fazer um passeio de moto até àquela bonita serra e visitar alguns dos seus emblemáticos lugares.
Até à Ponte de Sor, tivemos ainda a agradável companhia do Roberto Nabais e do filho. que regressaram a casa depois dum cafezinho e dois dedos de conversa.
Almoço longo no Restaurante "Sopa da Pedra" em Almeirim, onde não faltou a cobiçada sopinha, ex-libris da região. depois da passagem por algumas estradinhas panorâmicas bem definidas pelo Nuno, chegamos á serra, que faz jus ao seu nome de serra da neve, tal não era o ventinho gelado que se fazia sentir no seu cume.
O tempo encaminhava-se rapidamente para o final do dia e depois duma visita fugaz, regressamos a Castelo Branco, por percurso diferente do inicial, também ele bem preparado pelo Nuno, como é seu timbre.
Gostei do passeio e sobretudo da companhia e mais tarde, irei certamente fazer uma visita mais pormenorizada aquela bela região, com especial destaque á bonita Serra de Montejunto.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, na estrada, ou fora deles.
Beijos, abraços e apertos de mão.
AC

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

"Bacalhôa Buddha Eden Park"

Um jardim para meditar

Localizado no Bombarral, em plena região do Oeste, o Buddha Eden Garden é um verdadeiro refúgio para momentos de meditação, um local onde se respira paz. E é também um excelente ponto de partida para explorar as cercanias

O Buddha Eden Garden ocupa um espaço com cerca de 35 hectares no Bombarral. Imaginado e concebido pelo empresário e colecionador de arte madeirense José (Joe) Berardo, o projeto surgiu como resposta à destruição dos Budas Gigantes de Bamiyan, esculpidos na rocha daquele vale, no centro do Afeganistão, e que datavam do período tardio da arte de Gandhara (entre o ano de 544 e 644).
O Buddha Eden Garden é um espaço que convida à união, comunicação e meditação como forma de redescobrir 
a felicidade.


Já há algum tempo que tinha decidido ir visitar este mediático jardim, aproveitando para fazer um pouco de mototurismo.
Convidei os amigos Francisco Mendes e Manuel Gonçalves e fizemo-nos à estrada pelas 06h00.
Com algumas paragens para "espernear" um pouco e tomar o cafezinho matinal, chegamos àquele idílico local pouco depois das 10h30.
Por ali nos perdemos naquele santuário de paz e tranquilidade durante cerca de 3 horas, insuficientes para uma visita em pormenor.


Almoçamos no restaurante do parque e regressamos a Castelo Branco, com uma paragem em Óbidos para uma pequena visita e em Ferreira do Zêzere para um pequeno lanche.
Mais um dia bem passado na companhia de bons amigos e companheiros motociclistas, ficando a promessa de novas aventuras.
Fica o vídeo para mostrar um pouco da beleza daquele idílico jardim e talvez um incentivo para uma merecida visita.



Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, na estrada ou fora deles.
Beijos abraços e apertos de mão.
AC


domingo, 10 de setembro de 2017

"NC750XA . . . a minha primeira vez"

"Bem próxima com a fronteira de Espanha, situada entre Castelo de Vide e Portalegre, no ponto mais alto da bonita Serra de São Mamede, na região Alentejana, encontra-se a encantadora Vila de Marvão.
Num ambiente de paz de espírito e tranquilidade, rodeada por muralhas do século XIII e do século XVII, Marvão ergue-se bem alta esta histórica vila de ruas sinuosas e branco casario, mostrando que o tempo não é tão rápido e veloz como tantas vezes parece."

E hoje . . . apeteceu-me ir até Marvão, na primeira pequena viagem com a minha nova "menina" a Honda NC750XA.
Habituado aos "cloncs" do sistema convencional, rendi-me às novas tecnologias, ou não, do sistema DCT by Honda.
E eu que até era um pouco cético!
Depois do almoço domingueiro e do cafezinho na companhia da minha "Maria", preparei a "menina" e fiz-me à estrada para um pequeno passeio de fim de tarde por terras alentejanas.
Rumei o Perdigão e desci a Vila Velha de Rodão pela M1373, conhecida pela estrada do Rei Wamba, para ver a desolação criada pelo incêndio que deflagrou naquela região.
Passei a ponte sobre o Rio tejo, com um olhar de soslaio sobre as imponentes Portas de Rodão e fui até Nisa e Alpalhão, virando à esquerda rumo a Castelo de Vide, onde parei para um pequeno lanchinho numa das pastelarias junto ao largo da igreja matriz.
Já mais aconchegadinho, fui até á bonita vila de Marvão, subindo ao castelo pelas suas bonitas e estreitas ruas empedradas.
Lá no alto, estacionei junto ao jardim e com uma soberba panorâmica sobre o castelo e arredores a perder de vista, por ali estive algum tempo saboreando aquele momento de relax e contemplação.
O dia aproximava-se do fim e fiz-me de novo à estrada, regressando à cidade por estradinhas bem singelas e de ligação a um bom punhado de aldeias que pululam pela região.
Passei por Abegoa, Água de Cuba, Stº António das Areias,, Barretos, Beirã, Póvoa e Meadas, Montalvão, Salavessa, Vinagra, de novo Vila Velha de Rodão, Coxerro e Sarnadas, antes de entrar na cidade, mesmo a horas da última refeição do dia.
Algo apreensivo na partida e bem satisfeito na chegada, com  a prestação do meu novo "brinquedo".
Bonito, na minha perspetiva, fiável, pelo rasto das boas prestações dos motores Honda ao longo dos anos e mais que suficiente para as minhas aspirações.
Não necessito duma máquina para competir no protagonismo mundano, à laia do "medir pilinhas" como se diz na gíria, mas que me satisfaça, me dê prazer e me leve o mais próximo possível dos meus sonhos.
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos, na estrada, ou fora deles.
Beijinhos, abraços e apertos de mão.
AC